Tenho Dito!

Cérebro: como treinar para tomar as decisões certas


Até pouco tempo os cientistas acreditavam que, quanto maior o número de opções, melhor seria a decisão que nós tomaríamos sobre determinado assunto.

Acontece que aquela sensação de agonia que nós sentimos toda vez que precisamos escolher só uma coisa (ou caminho, ou pessoa, ou tipo de comida, ou roupa, ou filme…) finalmente encontrou respaldo na ciência.

Cérebro humano: como treinar para tomar as decisões certas

Cérebro humano: como treinar para tomar as decisões certas

Na verdade, quanto maior o número de possibilidades, maior vai ser a nossa chance de tomar uma decisão errada. Se só o bom senso não é suficiente para provar o que muita gente já sabia, um artigo publicado na Scientific American comprova o conflito que nosso cérebro experimenta quando é pressionado por muitas opções.

Cérebro humano: como treinar para tomar as decisões certas

É fácil perceber isso quando estamos num restaurante self-service, por exemplo. Quem estiver com fome ou for simplesmente curioso vai encher o prato com combinações que nem sempre dão certo.

Para evitar enganos ou pelo menos chegar o mais perto possível de uma boa decisão, vale seguir algumas dicas:

Cérebro humano: como treinar para tomar as decisões certas

– Evite tomar decisões quando estiver muito estressado – o estresse pode levar a decisões impulsivas e pode limitar a busca de soluções melhores para determinado problema, porque nos impede de pensar com clareza. Por isso, na hora de decidir, respire fundo, feche os olhos e tente esquecer o resto do mundo enquanto pensa só naquele problema.

– Procure se conhecer – vivemos cercados de propagandas e pessoas que tentam influenciar nossas decisões. Aqui cabe o exemplo do restaurante mais uma vez. Quanto mais tivermos segurança sobre nossos gostos, valores e objetivos, mais chance vamos ter de tomar a atitude certa.

– Antes de decidir, pense – tirar a mão de uma chapa quente é uma decisão que não exige raciocínio, mas não é o que acontece com a maioria das escolhas que nós precisamos fazer no dia-a-dia. Por isso, antes de bater o martelo, vizualise cenários e tente projetar o futuro depois da escolha que você está prestes a fazer.

– Não ignore sua intuição – se mesmo depois de pensar você ainda se sente incomodado com a escolha que está prestes a fazer, é hora de confiar na intuição. Isso não significa agir por impulso, mas simplesmente deixar que a força da sua experiência faça o trabalho que o cérebro não está conseguindo fazer.

[Fonte: Super Interessante]





Gostou? Curtiu? Compartilhe!

Divulgue no Orkut